O Ministério Público Federal (MPF) defendeu o direito ao passaporte diplomático para diferentes lideres religiosos, em recurso a uma ação na Justiça.

A defesa foi em relação ao direito do bispo Edir Macedo e sua esposa, Ester Bezerra de terem o seu passaporte diplomático renovado.

De acordo com informações do site oficial da Igreja Universal, “o Ministério Público Federal (MPF) optou em permitir os passaportes, pois entende que o Ministério pode conceder o benefício a pessoas que, na avaliação do ministro (Ernesto Araújo), ‘devam portá-lo em função do interesse do país’”.

Araújo entendeu que era viável conceder a concessão do passaporte diplomático para que o líder religioso em questão, pudesse “desempenhar de maneira mais eficiente suas atividades em prol das comunidades brasileiras no exterior”.

O portador de um passaporte diplomático tem privilégio nas filas de entrada e saída nos aeroportos internacionais, gratuidade na emissão do documento. e  dependendo do país, não precisa nem do visto.

Segundo a Igreja Universal o benefício  não pode ser visto como uma exclusividade, já que “não é a primeira vez que o Governo o concede a um líder religioso”.

Esse ponto foi destacado pelo MPF ao recorrer da ação , lembrando que culturalmente no Brasil imperial, sacerdotes da Igreja Católica em altas posições hierárquicas  recebiam esse documento do Ministério das Relações Exteriores.

Sendo assim, o MPF reforçou que, como o Estado brasileiro é laico, deve ser dado tratamento igualitário para todos os líderes religiosos de diferentes religiões.

Carregar mais artigos
Ver mais por Equipe Editorial
Ver mais em Política
Os comentários estão fechados

Check Also

Professor da UFF deseja morte a tiros para evangélicos bolivianos após renúncia de Morales

A renúncia do presidente boliviano Evo Morales após intensa pressão popular – com certo pr…